LEIA ANTES DE ACESSAR O CONTEÚDO

Este blog tem como objetivo, ser um complemento para alunos do ensino médio, no que refere as Ciência Humanas.


03/12/2014

Roma Antiga = Estrutura da Sociedades Romana (Monarquia e Republica)



O mito da fundação de Roma
Diz a lenda que Roma foi fundada no ano 753 a.C. por Rômulo e Remo, filhos gêmeos do deus Marte e da mortal Rea Sílvia. Ao nascer, os dois irmãos foram abandonados junto ao rio Tibre e salvos por uma loba, que os amamentou e os protegeu. Por fim, um pastor os recolheu e lhes deu os nomes de Rômulo e Remo. Depois de matar Remo numa discussão, Rômulo deu seu nome à cidade.

Essa explicação mítica é contraposta às pesquisas históricas e arqueológicas que apontam uma hipótese menos heroica sobre as origens de Roma. Segundo especialistas, a fundação de Roma ocorreu a partir da construção de uma fortificação criada pelos latinos e sabinos. Esses dois povos tomaram tal iniciativa, pois resistiam às incursões militares feitas pelos etruscos. No entanto, os mesmos etruscos vieram a dominar a região no século VII a.C.. A partir da fixação desses povos, compreende-se historicamente o início da civilização

Fundação:
Arqueologia – por volta de 1000 a.C. pelos latinos;
Lendária – 753 a.C. por Rômulo e Remo;

Limitrofes: Norte (Alpes), Sul (Mar Jônico), Leste (Mar Adriático), Oeste (Mar Tirreno)

Formação do povo Romano:

Os romanos eram descendentes dos italiotas, povo indo-europeu que ocupou a região central Lácio (italiotas: sendo divididos principalmente entre os latinos, os sabinos e os sanmitas), por volta de 2000 a.C.. Havia ainda na Península Itálica os gauleses Planície do Rio Pó, localizados ao no norte; os etruscos entre os rios Arno e Tibre, localizado no centro-norte; e os gregos, ao sul; onde foi constituída a Magna Grécia.

Fases da História:

Monarquia (753 – 509 a.C.);
República (509 – 27 a.C.);
Império (27 a.C. – 476).

Galera! Como é que esses assunto (Fases políticas da Roma Antiga) pode ser cobrado em um vestibular? Veja:



UFAM) - A civilização romana conheceu a seguinte evolução política:
A - Império, Monarquia e República;
B - Monarquia, Império e República;
C - Monarquia, República e Império;
D - Império, República e Monarquia;
E - República, Monarquia e Império.

GEOGRAFALANDO COMENTA:
Foram três as fases historicas, foram elas:  
Monarquia (753 – 509 a.C.);
República (509 – 27 a.C.);
Império (27 a.C. – 476).
 
Continuando:
Monarquia (753ª 509 a.C.)
No período inicial de formação da Civilização Romana, a Monarquia constituiu-se após os processos de ocupação da região da Península Itálica.

Nesse período lendário, Roma foi governada por sete reis que tinham poder absoluto (Rômulo o primeiro rei de Roma. As informações que os historiados têm sobre o período indicam ainda a existência de mais seis reis, sendo dois sabinos, um romano e três etruscos).

Nos primeiros cem anos da Monarquia Roma era apenas uma pequena aldeia. Com a conquista dos etruscos, ocorreu uma rápida modernização da cidade.

Quem eram os etruscos?
Antes da criação da cidade de Roma, os etruscos se destacavam como uma das principais civilizações da porção central da Península Itálica. Os territórios etruscos alcançavam porções do Lácio e da Campanha. Cerca de doze centros urbanos eram ali distribuídos, estabelecendo uma economia bastante estruturada em razão das intensas atividades comerciais. Esse desenvolvimento se deu também em virtude das boas relações firmadas com os fenícios, fixados na porção norte do continente africano.

O Governo dos etruscos:
Por volta de 575 a.C., os reis etruscos passaram a governar Roma. Esse governo  influenciou de maneira decisiva o início da civilização romana. (Por que?) Porque ditaram leis prudentes em favor do artesanato e do comércio, com os quais Roma adquiriu grande importância.

Influência etrusca:

- Urbanização de Roma,
- Criaram canais de drenagem para secar pântanos
-Tornaram a área do Fórum o núcleo da cidade (mercado e assembléias),

Galera! Como é que esses assunto (influência etrusca na urbanização da cidade de Roma Antiga) pode ser cobrado em um vestibular? Veja:


(UFPE)A grandiosidade do Império Romano criava muitos problemas administrativos e conflitos de poder, dificultando a ação dos seus governantes. Na arte, os romanos seguiram soluções práticas para facilitar sua vida urbana. A arquitetura romana, por exemplo, foi:

(A) marcada pela influência dos etruscos no uso do arco e da abóbada.
(B) definida pelas influências grega e egípcia, o que resultou em construções grandiosas em homenagem aos deuses.
(C) marcada pela utilização de pedras e tijolos, utilizados em grandes edifícios públicos.
(D) suntuosa nas construções públicas, que eram de grande originalidade para a época.
(E) baseada no uso exclusivo do arco, graças à influência dos mesopotâmicos.

Continuando:

Agora vamos falar como estava divididoa sociedades romana

Divisão Social(sociedades Censitária)

Neste período a sociedade romana era dividida em:

- Patrícios: grandes proprietários de terras, privilegiados e detentores de direito político.
- Plebeus: pequenos proprietários e comerciantes; eram livres, mas não participavam da vida política.
- Clientes: prestavam serviços aos patrícios e em troca recebiam proteção e benefícios de cunho econômico.
- Escravos: prisioneiros de guerra sem direito algum

Galera! Como é que esses assunto (divisão das classes sociais da Roma Antiga) pode ser cobrado em um vestibular? Veja:

(FUVEST 2013) A escravidão na Roma antiga

(A) permaneceu praticamente inalterada ao longo dos séculos, mas foi abolida com a introdução do cristianismo.
(B) previa a possibilidade de alforria do escravo apenas no caso da morte de seu proprietário.
(C) era restrita ao meio rural e associada ao trabalho braçal, não ocorrendo em áreas urbanas, nem atingindo funções intelectuais ou administrativas.
(D) pressupunha que os escravos eram humanos e, por isso, era proibida toda forma de castigo físico.
(E) variou ao longo do tempo, mas era determinada por três critérios: nascimento, guerra e direito civil, ou mesmo que por divida. (quando o cidadão contraia dividas e não conseguia pagar).

A alternativa correta é a letra “E
Comentário da questão: A alternativa contempla exclusivamente a origem da condição de escravo na Roma antiga, não abordando a situação do cativo na sociedade nem as relações com seu proprietário. Limita-se a enumerar as três formas de escravidão existentes: a natural (nascer de mãe escrava), a mais praticada (captura em guerra) e a determinada por legislação até 367 a.C., quando foi revogada a escravidão por dívidas.


Outra questão...

 (UNAMA/PA) -  
“Tolere, contudo a desonra das revoltas dos escravos; embora o destino os faça de joguete, trata-se afinal de uma espécie de homens de segunda categoria, dos quais podemos dispor por causa de nossa liberdade”.

(Floro, século III. – retirado de Jaime Pinski. 100 textos
de história antiga. São Paulo: Contexto, 1988, p. 13).

A partir do texto que se segue e de seus conhecimentos, assinale qual das alternativas abaixo descreve corretamente como eram percebidas a escravidão e as revoltas escravas na Roma antiga.

(A) No texto, a revolta escrava era algo intolerável para os senhores romanos, porque estes escravos eram conhecidos como uma espécie de cidadãos de segunda categoria, com pouco prestígio ou vontade própria.
(B) O autor entende que as revoltas escravas eram bem vistas no mundo romano, porque os deuses se divertiam com elas. Estes deuses sabiam que os escravos lutavam por uma causa justa: sua liberdade e que as revoltas escravas eram punições para os patrícios.
(C) O texto comprova que os escravos na Roma antiga eram cidadãos de segunda categoria e que suas revoltas eram lutas em vão, porque os Deuses romanos só atuavam em favor dos cidadãos de elite, os patrícios.
(D) A revolta escrava estava relacionada com a vontade do Destino. Contudo, os deuses que controlavam o destino, justificavam a escravidão, já que os patrícios não podiam viver como cidadãos livres sem o trabalho de seus escravos.

E mais outras....

(UFAL) - A fim de controlar as inúmeras revoltas dos escravos e o descontentamento popular entre os plebeus, o Imperador romano Otávio Augusto adotou a seguinte medida:

(A) a criação do Primeiro Triunvirato e a concessão de cidadania aos plebeus.
(B) Redividiu as terras e criou novas colônias para acabar com a desocupação da plebe urbana e atraí-la para o trabalho rural.
(C) Determinou que os latifundiários fossem obrigados a empregar pelo menos um terço dos trabalhadores livres.
(D) Usou uma política chamada pelos romanos de Pão e Circo, na qual o governo organizava os espetáculos públicos onde se distribuía porções de trigo à população.
(E) A criação em 493 a.C., do Tribunato da Plebe, assembleia formada exclusivamente por plebeus

Continuando:
Vamos agora estudar um pouco sobre qual era a função dos Reis

Os reis cuidavam de funções relacionadas à justiça, à religião e à guerra. Havia ainda um órgão de apoio ao rei para que ele governasse chamado de Senado.
Durante a Monarquia, Roma foi governada por um rei, chefe militar e religioso supremo com cargo vitalício, por um Senado, reunião dos chefes das famílias patrícias que elaboravam as leis e limitavam as ações do rei, e por uma Assembleia Curiata, formada por todos os patrícios adultos que discutiam e votavam as leis elaboradas pelo Senado.


Continuando:
Vamos agora estudar um pouco sobre a instituição do Senado Romano

O que era o Senado? O Senado era um conselho formado pelos chefes dos diversos clãs, grupos familiares, onde os assuntos políticos eram debatidos. O Senado, eram uma espécie de conselheiros reais. A maiorias dessas famílias eram de origem patrícias (isto é. eram nativos da cidade de Roma).

Qual era a função do Senado Roma no período monárquico? Tinha a função de eleger os reis e a de aconselha-los. 
Galera! Como é que esses assunto (instituições romanas) pode ser cobrado em um vestibular? Veja:

(UFAM) – Tal como a história dos gregos, também a dos romanos começou pelo desenvolvimento de instituições políticas assentadas na cidade e elaboradas em benefício de uma comunidade de homens livres – os cidadãos – proprietários de terras e que reivindicavam a descendência direta dos fundadores de sua pátria. Em ambos os casos, estes cidadãos privilegiados conseguiram, no momento em que a vida urbana começou ganhar certa amplitude e consistência, eliminar a monarquia (cuja origem se confudia com a própria origem da pátria) dando início a instituições capazes de assegurar o seu domínio.

FLORENZANO, M. B. O Mundo Antigo: economia e sociedade. São Paulo: Brasiliense, 1986, p. 56.

O texto aponta que os cidadãos romanos percorreram uma trajetória política singular.

Sobre as instituições latinas ao longo deste processo podemos destacar:

I. O Senado, instituição mais importante do período republicano, que, no plano legislativo, aprovava as leis votadas nas assembleias, propunha novas leis para serem submetidas ao voto do povo, além de decidir sobre medidas excepcionais, como a de atribuir o poder supremo aos cônsules.
II. A Ditadura ou uma magistratura extraordinária, dotada de poderes excepcionais, substitutiva do Império, ao qual se recorria em momentos de particular gravidade.
III. O Tribunato da Plebe, cuja função era defender indivíduos e propriedades da plebe e administrar os jogos públicos, sendo o poder dos tribunos derivado do fato de serem invioláveis.

(A) Apenas II é correta.
(B) Apenas I é correta.
(C) Apenas III é correta.
(D) I, II e III são corretas.
(E) I, II, e III são incorretas.

Outra questão...
 
(UFAM) - Durante sua primeira fase, os romanos assentavam sua organização política na forma monárquica de poder, mas já ali existia o Senado, uma das instituições políticas mais antigas de Roma. Neste momento inicial, o Senado:

(A) Era formado pelos centuriões que, nomeados pelo rei, representavam as 100 mais importantes famílias patrícias de Roma.
(B) Alcançou notável autonomia, limitando frequentemente o poder régio através do veto, o que ocorria quando dois terços de seus membros manifestavam-se contrários as decisões do monarca.
(C) Funcionava como uma assembleia aristocrática de assessoramento às deliberações do Rei e era constituído pelos mais velhos (seniores), sendo vedada a presença de plebeus.
(D) Composto por representações paritárias de patrícios e plebeus, restringiu suas funções à prática legislativa, elaborando o corpus jurídico do estado romano.
(E) Funcionava como uma espécie de Assembleia de Notáveis que impunha obediência ao monarca e definia as ações estratégicas do Estado. 

Veja outra questão.....

(UFG/GO) - O governo da República romana estava dividido em três corpos tão bem equilibrados em termos de direitos que ninguém, mesmo sendo romano, poderia dizer, com certeza, se o governo era aristocrático, democrático ou monárquico. Com efeito, a quem fixar a atenção no poder dos cônsules a constituição romana parecerá monárquica; a quem fixá-la no Senado ela mais parecerá aristocrática e a quem fixar no poder do povo ela parecerá claramente democrática. (POLÍBIOS. História. Brasília: Ed. da UnB, 1985. Livro VI, 11. p. 333.)

Políbios descreve a estrutura política da República romana (509-27 a.C.), idealizando o equilíbrio entre os poderes. Não obstante, a prática política republicana caracterizou-se pela:

(A) organização de uma burocracia nomeada a partir de critérios censitários, isto é, de acordo com os rendimentos;
(B) manutenção do caráter oligárquico com a ordem eqüestre dos homens novos assumindo cargos na administração e no exército;
(C) adoção da medida democrática de concessão da cidadania romana a todos os homens livres das províncias conquistadas;
(D) administração de caráter monárquico com o poder das assembléias baseado no controle do exército e da plebe;
(E) preservação do caráter aristocrático dos patrícios que controlaram o Senado, a Assembléia centuriata e as magistraturas

Continuando:

Agora vamos ver com essa relação entre senado e monarquia chegou ao fim!

A relação Monarquia e Senado foi muito positiva para famílias patrícias até o sétimo rei da Monarquia romano quando esses reis deram lugar a outros monarcas, violentos e tirânicos, que desprezavam as opiniões do Senado. A partir de então, a relação entre Senado e Monarquia ficou conflituosa. Temerosas de perder seu poder diante da tirania dos reis os patrícios resolveram expulsar o rei e instaurarem um republica. E foi o que ocorreu Tarquínio, o Soberbo, foi o último dos reis que governou Roma quando os patrícios derrubaram do poder em 509 a.C., o rei Tarquínio, o Soberbo, dando início a uma República.,
O grande entupir foi o conflito em 509 a.C. queRevolta Patrícia:
-Causa: tentativa etrusca de confisco das terras patrícias.
-Resultado: Vitória patrícia
-FIM DA MONARQUIA

 Continuando
Agora vamos estuda uma pouco sobre o período republicano da Roma Antiga:

A República  (509 a.C. – 27 a.C.)se baseava em três órgãos: o Senado, os magistrados e as Assembleias.
Esses três órgãos simbolizados pela conhecida sigla S.P.Q.R. (Senatus Populusque Romanus, ou seja, "Senado e povo romano").

Galera! Como é que esses assunto (instituições romanas) pode ser cobrado em um vestibular? Veja:


(UFTM/MG) -  “Mesmo para um cidadão romano, seria impossível dizer, com certeza, se o sistema, em seu conjunto, era aristocrático, democrático ou monárquico. Com efeito, a quem fixar a atenção no poder dos cônsules, a constituição romana parecerá totalmente monárquica; a quem fixar no Senado parecerá aristocrática, e a quem se fixar no poder do povo, parecerá claramente democrática.
(...) cada uma das três partes [do Estado] é capaz, se desejar, de criar obstáculos ás outras, ou de colaborar com elas (...) Nenhum dos poderes predomina sobre os outros nem pode desprezá-los.”
(Políbio, História, século II a.C.)
De acordo com o historiador grego, Políbio, a Constituição de Roma, que favorecera as conquistas no Mediterrâneo, era:

(A) baseada no predomínio do Senado sobre a autoridade dos cônsules e do povo.
(B) certamente democrática, por entregar aos plebeus a maior parte dos poderes.
(C) marcada pelo conflito entre os diferentes poderes que compunham o Estado.
(D) claramente aristocrática, por concentrar o poder nas mãos dos cônsules.
(E) caracterizada pelo equilíbrio de poder entre os cônsules, o Senado e o povo.

 Continuando:

Galera podemos definição o termo republica como: res + publicus: “coisa do povo”
A ideia de republica tem como modelo de governo as seguintes característica de organização política: 
- O Estado: como bem público.
- que tem como Função: o bem comum.
- é marcado pela ruptura com a estrutura monárquica  (Estado = Rei).
-contudo a Estrutura administrativa do aparato estatal= Não é democrático, mas com base na participação censitária dos membros da sociedade.
 
IMPORTANTE:
A palavra censitária tem uma relação com o significado da palavra renda. Em história , usa-se o termo "sociedade censitária", que pode-se entender , como uma divisão por classe social(por renda).

Exemplo: - Roma Antiga:
Patrícios - Donos de latifundios(muito dinheiro);
Plebeus - Homens livres (pouco dinheiro);
Escravos - Homens endividados (sem dinheiro).


Principal Característica do período republicano foram as lutas sociais (Patrícios X Plebeus).
  
Mais precisamente a respeito da  Questão Agrária.

Movimentos sociais: Os plebeus, em sua origem, compunham uma camada de trabalhadores livres que não estavam atrelados ao poder e à proteção dos proprietários de terra. Ao longo da história romana essa classe sofreu uma forte marginalização das instituições e no interior da cultura romana. Por não estarem economicamente atrelados às grandes propriedades de terra, os plebeus dedicavam-se ao comércio, o artesanato e ao trabalho livre.

Galera!! Com o estabelecimento da República, os plebeus ainda eram uma classe desprovida de direitos políticos. Os primeiros órgãos governamentais só contavam com os membros da aristocracia romana. No entanto, a expansão das atividades econômicas em Roma, fez com que parte da classe plebéia enriquecesse com o comércio. Ao mesmo tempo, muitos plebeus não suportavam as punições e as exigências de um sistema governamental onde não possuíam nenhum tipo de representatividade.

Nesse sentido houve uma intensa luta por parte dos plebeus contra os patrícios para mudar esse quadro socioeconômico desfavoráveis aos plebeus.

Desse modo, a partir do século V a.C., uma série de revoltas plebéias se instalaram na cidade de Roma. Plebeus das mais variadas condições econômicas exigiram a reforma das instituições políticas romanas. Compondo uma população bastante numerosa, os plebeus representavam uma grande ameaça aos interesses dos patrícios. Ao longo de três séculos, um conjunto de cinco principais revoltas plebéias conseguiu reorganizar o cenário político romano. 

Galera! Como é que esse assunto (Conflitos entre Patrícios e Plebeus) pode ser cobrado em um vestibular? Veja:

(UEPB) - Dentre os movimentos sociais que marcaram a República Romana, podemos destacar as lutas entre patrícios e plebeus. Sobre estas lutas, é correto afirmar:
(A) O casamento entre patrícios e plebeus não foi permitido, apesar das conquistas do povo romano nas lutas contra os patrícios. 
(B) Apesar da marginalização política, não havia discriminação entre patrícios e plebeus. 
(C) Os plebeus conquistaram, em 367 a.C, o direito de participar do consulado com a promulgação da Lei Licínia, que também regulamentou a exploração das terras públicas. 
(D) Quando um patrício tornava-se insolvente, sem condições de pagar dívidas, tinha de se submeter ao nexum. Este foi um dos fatores que causou os conflitos entre plebeus e patrícios.
 (E) Em 450 a.C, foi publicada a Lei das Doze Tábuas, um dos fundamentos do Direito Romano, que não assegurou a igualdade jurídica entre patrícios e plebeus.

Continuando:
Vamos agora estudar as principais revoltas plebeias:
A primeira dessas revoltas, acontecida em 494 a.C., foi dada em um contexto no qual os plebeus aproveitaram de uma ameaça de invasão estrangeira à cidade de Roma. Esvaziando as tropas militares da cidade, os plebeus se refugiaram no Monte Sagrado exigindo a criação de um cargo político exclusivamente controlado por plebeus. Em resposta, o Senado Romano constituiu a magistratura dos Tribunos da Plebe, que poderiam vetar qualquer lei que ferisse o interesse dos plebeus.

494 a.C.: Greve geral dos Plebeus (Monte Sagrado).

Objetivos - Criação do Tribunato da Plebe.
-10 plebeus.
-Poder de veto sobre o senado.
Resumindo:
Galera! Apesar dessa primeira conquista, a tradição oral nas leis romanas, controladas pelos patrícios, prejudicavam enormemente os plebeus. Fazendo pressão contra os patrícios, os plebeus conseguiram a formulação de uma lei escrita dentro de Roma. Essas leis, criadas em 450 a.C., ficaram conhecidas como as Leis das Doze Tábuas. Foram as primeiras leis escritas de Roma, que asseguravam igualdade jurídica entre patrícios e plebeus;

450 a.C.: Decênviros:
Objetivo - Criação da Lei das XII Tábuas.
Resumindo: 
Cinco anos depois, outra revolta exigiu a permissão do casamento entre plebeus e patrícios. Através da Lei da Canuléia, que liberou os casamentos, os plebeus puderam ascender socialmente e ampliar sua participação política.

Galera! Como é que esses assunto (Conquista plebeias sobre os patrícios) pode ser cobrado em um vestibular? Veja:



(URCA/CE) - Considerada a área do conhecimento mais aperfeiçoada pelos romanos na Antiguidade, a área do Direito foi uma de suas maiores contribuições para a cultura da chamada “civilização ocidental”. Após longa e complexa evolução, o Direito atingiu seu apogeu na época do Principado. No entanto, no período monárquico (753 a.C. – 509 a.C.) e no início do período republicano, o Direito Romano era todo oral e baseado nos costumes. Diversos conflitos entre patrícios e plebeus surgiram por causa dessa situação.

O Direito Romano passou a ser escrito com:

(A) A criação das Leis das XII Tábuas em 450 a. C.
(B) A criação da Lei Licínia em 367 a.C.
(C) As reformas políticas de Tibério e Caio Graco, em 133 a. C. e 121 a.C.
(D) A criação do Principado de Otávio Augusto, a partir de 30 a.C.
(E) A criação do Corpus Júris Civilis, de Justiniano.

GEOGRAFALANDO COMENTA:
Resumindo: 494 a.C.: Greve geral dos Plebeus (Monte Sagrado).
Criação do Tribunato da Plebe.
-10 plebeus.
-Poder de veto sobre o senado.

Apesar dessa primeira conquista, a tradição oral nas leis romanas, controladas pelos patrícios, prejudicavam enormemente os plebeus. Fazendo pressão contra os patrícios, os plebeus conseguiram a formulação de uma lei escrita dentro de Roma. Essas leis, criadas em 450 a.C., ficaram conhecidas como as Leis das Doze Tábuas. Foram as primeiras leis escritas de Roma, que asseguravam igualdade jurídica entre patrícios e plebeus;

445 a.C.: Lei Canuléia:

Objetivo - Fim da proibição de casamento  entre patrícios e plebeus.
Resumindo:
Por volta de 367 a.C., uma nova lei foi estabelecida mediante revoltas plebéias. A extensão das grandes propriedades patrícias gerava uma desleal concorrência com os plebeus que eram pequenos proprietários de terra. Não resistindo à concorrência econômica dos patrícios, muitos plebeus endividavam-se e eram transformados em escravos. Nesse contexto, a Lei Licínia Sextia promoveu o fim da escravidão por dívida e ainda garantiu a participação dos plebeus nas demais magistraturas e cargos públicos romanos.
Galera! Como é que esses assunto (Conquista plebeias sobre os patrícios) pode ser cobrado em um vestibular? Veja:
 

(Unicamp 2013) Por que as pessoas se casavam na Roma Antiga? Para esposar um dote, um dos meios honrosos de enriquecer, e para ter, em justas bodas, rebentos que, sendo legítimos, perpetuassem o corpo cívico, o núcleo dos cidadãos. Os políticos não falavam exatamente em natalismo, futura mão de obra, mas em sustento do núcleo de cidadãos que fazia a cidade perdurar exercendo a “função de cidadão” ou devendo exercê-la. (Adaptado de P. Ariès e G. Duby, História da Vida Privada. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. v. 1, p. 47.)

a) Por que o casamento tinha uma conotação política entre os cidadãos, na Roma Antiga?
Segundo o texto, o casamento tinha uma conotação política, porque perpetuava o “corpo cívico” da República já que resultavam em filhos “legítimos” de Roma. Além disso, o casamento poderia possibilitar o enriquecimento dos cidadãos por meios “honrosos”.
b) Indique dois grupos excluídos da cidadania durante a República romana (509-27 a.C.). resposta da questão
Entre os grupos excluídos podemos citar: - Escravos - Libertos -Mulheres

 367 a.C.: Lei Lícinia –Sextia
Objetivos:
 - Divisão das terras conquistas entre os plebeus.
- Exigência de um cônsul plebeu.
- Fim da escravidão por dívidas.

Resumindo: Na última grande revolta plebéia de 287 a.C., os plebeus garantiram a validade jurídica das leis formuladas pelos Tribunos da Plebe, de forma que tivessem validade para toda extensão dos domínios romanos. Essa revolta encerrou um processo de reformulação política de longa duração. Apesar de equilibrar politicamente os grupos sociais romanos, a distinção cultural entre um patrício e um plebeu não se transformou radicalmente.

284 a.C.: Lei Hortênsia:
Objetivo- os plebiscitos passam a ter poder de lei.

Com estas conquistas plebeias surge um grande problema! Qual? 

Como conseguir mais escravos com a proibição da escravidão por dívidas?

Solução: expansão militar.
-Guerras = prisioneiros de guerra = escravos (bárbaros).
-PROJETO: Mare Nostrum (conquista do
Mar Mediterrâneo).

Guerras Púnicas: 264-164 a.C.
-Roma X Cartago.
-três guerras.
-Vitória romana.

· Consequências:
- Expansão territorial: latifúndios
(Patrícios/Generais = donos de terras).
- Aumento do Escravismo: Êxodo rural.
- Colonialismo: abastecimento e controle da inflação.
- Empobrecimento dos plebeus.
·131-121 a.C.: Tentativa de Reforma Agrária.
- Irmãos Graco: tribunos da plebe.

Galera! Como é que esses assunto (Conquista plebeias sobre os patrícios) pode ser cobrado em um vestibular? Veja:

(UNIR/RO) - O texto abaixo faz referência à tentativa do tribuno da plebe Tibério Sempronio Graco de coibir um dos principais desdobramentos da expansão romana dos séculos III e II a.C.

Foi, então, quando Tibério Sempronio Graco, cidadão nobre animado por uma grande ambição [...] pronunciou [...] um discurso de extrema gravidade para os povos da Itália; falou de como povos particularmente aptos para a guerra e vizinhos dos romanos pelo sangue, mas em via de deslizar pouco a pouco para a miséria [...] Depois de pronunciar este discurso, pôs em vigor a lei que proibia a posse de mais de 500 medidas de terras.
(APIANO. Guerras civis, I, 9, 35-36.)

Qual desdobramento intencionou-se coibir?

A - Crescimento de latifúndios
B - Uso de escravos no exército romano
C - Aumento do poder pessoal dos generais romanos
D - Favorecimento econômico aos aliados em detrimento dos senadores romanos
E - Aumento de impostos para a plebe romana

Galera! Como é que esses assunto (Conquista patrícios sobre os plebeias) pode ser cobrado em um vestibular? Veja:

(UNIFOR/CE) - Na Antiguidade, o expansionismo romano engendrou grandes transformações sociais e econômicas e proporcionou condições para a “grandeza” de Roma, mas possibilitou, ao mesmo tempo, a eclosão de lutas sociais que abalaram a República Romana. As origens dessas lutas sociais estavam relacionadas, entre outras:

(A) à ampliação dos mecanismos democráticos de poder, com a extensão do direito de voto aos estrangeiros, medida que contrariou os interesses da plebe romana;
(B) à ruína de grande parte dos camponeses, em razão do processo de concentração da terra nas mãos da aristocracia e de setores que se enriqueceram com as guerras;
(C) às leis criadas pelos irmãos Tibério e Caio Graco, que reduziam as possibilidades de acesso das camadas populares à terra, já que eram representantes da nobreza latifundiária;
(D) às ocupações das terras dos camponeses pelas famílias dos militares, que almejavam a ascensão social por meio dos títulos de propriedade;

Outra questão
(UEG) - Desenvolveu-se nos homens primeiro a sede do dinheiro, em seguida o amor ao poder; tais desejos foram, por assim dizer, as fontes de todos os males... mais tarde quando o contágio se propagou como uma epidemia, a cidade mudou de aspecto; e o seu governo, até esse momento tão justo e virtuoso, tornou-se cruel e insuportável.
SALÚSTIO. The Conspiracy of Catiline. Baltimore: Penguin Books, 1963. p. 181.
Salústio (86-34 a.C.) escreveu essas palavras condenando o colapso dos valores e do regime republicano. As observações do historiador romano devem ser inseridas no quadro de desorganização geral da vida social romana.

Sobre a decadência do regime republicano, identifique a alternativa incorreta:

(A) Nas longas guerras empreendidas pelos romanos contra os cartagineses, as pequenas propriedades rurais foram arruinadas, obrigando seus proprietários a vendê-las a baixos preços, provocando a formação de grandes latifúndios.
(B) A introdução do trabalho escravo nas plantações chamadas latifundia provocou um grande êxodo rural dos pequenos camponeses para Roma, favorecendo a formação de uma camada urbana marginalizada e miserável.
(C) Em 133 a.C., Tibério Graco, representante da plebe, foi eleito tribuno. A reforma agrária empreendida em seu governo, apoiada pela classe senatorial, conseguiu amenizar durante algum tempo as tensões no campo.
(D) As revoltas dos escravos aumentaram as tensões em Roma. A mais famosa delas foi liderada pelo gladiador Espártaco, sendo duramente reprimida.
(E) O exército deixou de ser um instrumento da República para se tornar patrimônio particular dos generais, cujo poder acabou ameaçando a autoridade do Senado.

Outra questão:
 
(UEA/AM) -  Na Roma republicana, “o tribunal e a assembleia tribal foram simplesmente acrescentados às instituições centrais existentes no Senado, Consulado e Assembleia centuriada: não significavam uma abolição interna do complexo oligárquico de poder que guiava a República.”
(Anderson)

Assinale a alternativa correta a respeito da organização e do processo sociopolítico na Roma Antiga republicana:

(A) A luta de classes em Roma foi por vezes violenta e prolongada, produziu desempenhos heróicos, como os de Caio e Tibério Graco, e alterações que beneficiavam a plebe, mas jamais aboliu ou substituiu a estrutura cívica de poder da nobreza hereditária.
(B) O Senado Romano só teve poder no início da República e era constituído pelos indivíduos considerados mais capazes, independentemente de sua origem familiar.
(C) Embora a democracia provenha da Grécia, a escolha dos magistrados em Roma era feita do modo mais democrático possível para os padrões da Antiguidade: eram escolhidos por todos os habitantes da cidade, em assembléia na praça pública.
(D) Quem governava, na Roma republicana, era o cônsul, enquanto o Senado se constituía numa simples representação honorífica de família.
(E) A plebe romana representava-se por uma assembléia tribal, que reunia os representantes das aldeias estrangeiras dominadas e ainda organizadas em comunidade primitiva.



(OSEC) Quanto à história de Roma, pode-se considerar que:

(A) no Império Romano, todos os homens livres - os cidadãos - eram proprietários de terras
(B) no Império Romano, a base da economia era o comércio e a indústria
(C) na passagem da República para o Império, Roma deixou de ser uma democracia e transformou-se numa oligarquia
(D) os irmãos Tibério e Caio Graco foram dois tribunos da plebe que lutaram pela redistribuição das terras do Estado (ager publicus) entre todos os cidadãos romanos
(E) Roma conheceu apenas dois regimes políticos: a República e o Império



(FUVEST) A civilização ocidental contemporânea apresenta traços marcantes que revelam o legado cultural da civilização romana. Indique e comente dois traços.

(A) O idioma usado pelos romanos - o latim - que deu origem às chamadas línguas polilatinas, e o Direito Romano, que constituiu a base da legislação ocidental
(B) O idioma usado pelos romanos - o latim - que deu origem às chamadas línguas neolatinas, e o Direito Romano, que constituiu a base da legislação ocidental
(C) O idioma usado pelos romanos - o italiano - que deu origem às chamadas línguas neolatinas, e o Direito Romano, que constituiu a base da legislação ocidental
(D) n.d.a.
 

Um comentário:

  1. Ótimo artigo. Sempre que estudamos sobre Roma Antiga, suas fases: República Romana, Império Romano e Decadência, sempre ficamos fascinados!!
    Abraços!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...