LEIA ANTES DE ACESSAR O CONTEÚDO

Este blog tinha como objetivo, apenas de ser um complemento para alunos do ensino médio, no que refere as Ciência Humanas AGORA também estaremos postando aulas com assuntos das Ciências Natureza (Biologia, Química e Física).


18/06/2014

Modernização Agrícola Brasileira - 2ª Fase: Agroindustrialização do campo

Fala galera!! Tudo Bem???? Nessa nossa 2ª aula sobre a modernização agrícola brasileira vamos falar sobre o período entre 1956 à 1965 que corresponde a agro-industrialização do campo nacional. CUIDADO!!! não estamos falando de complexo industrial. São duas coisas bem diferentes complexo industrial  de agroindustrialização. OK!!! 

NOÇÕES PRELIMINARES:
Nessa fase as indústrias de outros países, principalmente norte-americanas, que estava produzindo fora do território brasileiro e vendendo para o Brasil são transferida para o solo nacional, isto é, a produção dessas tecnologia se darão agora em solo brasileiro. Ou seja, ocorre aqui o famoso processo de SUBSTITUIÇÃO DE IMPORTAÇÕES (assunto que você já deve ter estudado quando estudou o processo de industrialização brasileira).

Mas o que foi o modelo de substituição de importações?

Era justamente o que estava ocorrendo também no campo brasileiro, o processo de substituição de importação (modelo de industrialização nacional) onde o Brasil não mais importaria esses produtos agrícola, mas seriam produzidos (industrializados) no próprio Brasil. 

Antes as tecnologias agrárias chegavam ao Brasil através das  importações e agora  essas tecnologias passam a ser produzidas no Brasil ocorrendo uma certa transferências de tecnologia dessas indústrias de outros países para a base industrial nacional que ainda estava engatinhando o que vai possibilitar o inicio de um novo processo industrial no Brasil a agroindustrialização, isto é, o processo de integração entre a indústria de tecnologias agrícolas e o setor agrário brasileiro. Ou seja, você passa até agora uma indústria local produzindo insumos agrícolas (desenvolvendo tecnologias para o setor agrário) diretamente para os produtores rurais nacional.




Na ocupação atual da fronteira agropecuária se repetem os fatores históricos que privilegiam o latifúndio e a grande propriedade monocultora voltada ao atendimento do mercado externo.



A fronteira agropecuária é um dos principais elementos que compõem a questão agrária brasileira na atualidade.


No início da década de 1970 o Centro-Oeste brasileiro (região dos cerrados) e a região amazônica passaram a ser a nova fronteira agropecuária brasileira. Sendo uma região de baixa densidade de ocupação e grande disponibilidade de terras, a região passou a receber os contingentes de

- camponeses expropriados de outras regiões e, ao mesmo tempo,
-  o investimento de capitais produtivos e especulativos.
OBS:. A ocupação dessas novas áreas de fronteira ocorreu a partir de projetos de colonização públicos e privados em uma parceria entre Estado e capital. Grandes porções de terras foram vendidas a preços irrisórios ou doadas a empresas privadas para o estabelecimento dos projetos de colonização(agropecuario) ou extrativismo florestal e mineral(essas duas ultimas principalmente na região Norte).

A  ocupação da região dos cerrados, especialmente Mato Grosso, foi realizada através de colonização privada e tem como característica o estabelecimento do agronegócio, com uma agricultura monocultora de alta produtividade especializada na produção de soja, milho e algodão destinados ao mercado externo.  

Nesse tipo de agricultura temos a Empresa Agrícola é caracterizada pela produção altamente produtiva, com técnicas modernas (normalmente mecanizadas), alta capitalização, propriedades de médio e grande porte, mão de obra qualificada e pouco numerosa (excetuando cultivos "delicados" como frutas, por exemplo) e relações modernas de trabalho (assalariamento). Quando não é praticado de forma sustentável (preocupada com o Meio Ambiente), esse sistema é responsável pela devastação de grandes domínios de vegetação (como as planícies centrais estradunidenses e o cerrado no Brasil). Além disso, ao praticamente exterminar grandes áreas de mata, provocam impactos irreparáveis na fauna e na flora, por exemplo, com a extinção de espécies. Esse aspecto é de fundamental importância para o ENEM.

Vamos iniciar a nossa aula propriamente dita. Galera!! A agricultura brasileira tem passado desde a década de 1970 por um processo de modernização, que tem como pano de fundo a agronegócio (em que a agricultura e a pecuária compõem um negócio que movimenta bilhões em produção, distribuição e venda/consumo). Mas antes de tratarmos desse processo de modernização vamos analisar essa evolução. Podemos dizer que (didaticamente) houver três fases, ou três grandes momentos pela qual a acricultura brasileira passou até chegar ao estágio atual . 




No Cerrado, o movimento recente da ocupação está no norte de Goiás e Tocantins. A fronteira agropecuária atual tem como característica o significativo processo de urbanização da população nas regiões mais consolidadas, com exceção da frente pioneira. O alto grau de urbanização das regiões da fronteira pode ser explicado por sua contemporaneidade com a modernização da agricultura. A frente pioneira, movimento responsável pela abertura de noras áreas, é caracterizada pelo grande desflorestamento e pelo intenso conflito e violência no campo. Trata-se de uma fronteira agropecuária em plena expansão ainda na atualidade.
 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...