LEIA ANTES DE ACESSAR O CONTEÚDO

Este blog tem como objetivo, ser um complemento para alunos do ensino médio, no que refere as Ciência Humanas.


quinta-feira, 19 de abril de 2012

ASSUNTO: FASES do CAPITALISMO


QUARTA SEMANA  AULAS: 07 e 08
ASSUNTO:AS FASES DO CAPITALISMO  - CAPITALISMO  COMERCIAL 
Objetivos da Aula:
Compreender o que diferencia as várias etapas do desenvolvimento do capitalismo;
- Identificar as características do capitalismo
Explicar que o período ( século XVI a XVIII ) ficou conhecido como período do capitalismo comercial porque gerou um acúmulo de capitais devido a esfera de circulação de mercadorias por meio do comércio.
Entender o desenvolvimento do capitalismo comercial através da expansão marítima européia e como ela influenciou no desenvolvimento do capitalismo.
Apresentar que nesse período da  economia capitalista, a política econômica  funcionava segundo a doutrina mercantilista, que pregava a intervenção governamental na economia, a fim de promover a prosperidade nacional e aumentar o poder do estado; porque a riqueza e o poder de um país eram medidos pela quantidade de metais preciosos ( ouro e prata ) que possuíam; esse princípio ficou conhecido como metalismo.
Compreender que esse princípio do capitalismo ficou conhecido como fase de acumulação primitiva de capitais (conforme designação Karl Marx.)


.
Lembrando o que foi visto nas aulas passadas que:
- 1ª coisa: O espaço  geográfico  passou  a  ser   modificado quando o homem começou a produzir. Mas  foi o modo  de  produção  capitalista  que  determinou  as mais profundas alterações nesse espaço.

- 2ª coisa:O sistema  capita lista  nasceu  das transformações  por  que  passou  a  Europa  feudal  a partir,  sobretudo  do  século XI I.  O  fundamento  da  riqueza  deixou  paulatinamente  de  ser  a  terra,  e favoreceram  o  desenvolvimento  de  relações mercantis  e  a  economia  de  mercado  começou  a estruturar-se com base no trabalho artesanal.

- 3ª coisa:O crescimento  e  o  aumento  do  n úmero  de cidades propiciaram a diversificação e a mobilidade sociais  até  então  praticamente   inexistentes.  As trocas  comerciais  entre  diversas  regiões estimularam  as  transformações  no  mundo  de trabalho, com o  surgimento do trabalho assalariado e de uma incipiente divisão técnica das atividades.

- 4ª coisa:O capitalismo  caracteriza -se  como  um sistema econômico e social voltado para a obtenção de  lucro,  com  base  na propriedade   privada  dos meios  de  produção  (fazendas,  indústrias,  bancos, serviços  etc.)  e  na  exploração  do  trabalho  alheio.

- 5ª coisa:Isso significa que uma  parcela   da  sociedade  -  os capitalistas - detém e controla os bens e as riquezas produzidas,  em  constante  circulação.  Essa circulação evoluiu do simples comércio, quando do surgimento desse sistema, até sua intensificação nas mais diferentes instâncias do mundo globalizado. 

Bem pessol, agora vamos falar um pouco mais e especificamente sobre as fases do capitalismo ok!!!!! 

Como já dissemos o Capitalismo é um sistema econômico baseado na livre iniciativa e livre concorrência, na propriedade privada (especialmente dos meios de produção) e na lei da oferta e procura, reconhecendo duas classes sociais distintas: a Burguesia (empresários, investidores), fundamentada no lucro e o Proletariado (empregados, trabalhadores) que vendem sua força de trabalho.

Lembrando:
             A lei da oferta e procura considera que a variação de valores a partir de dois princípios:
- a oferta (quanto mais se tem determinado produto, mais barato ele é, quanto mais raro, mais caro) e

- a procura (quanto mais se deseja determinado produto, mais caro ele é, quanto menos ele é desejável, mais barato).
            

Tradicionalmente são consideradas três fases no capitalismo:

Capitalismo comercial – Inicia-se nas grandes navegações e vai até a Revolução Industrial. O lucro vinha através do comércio.


É o período das Grandes Navegações ou Descobrimentos, quando novas terras - principalmente do continente americano ou Novo Mundo - passaram a fazer parte do mundo até então conhecido: o Velho Mundo. Nessa época países da Europa ocidental (Portugal, Espanha, França, Inglaterra e Holanda) obtiveram grandes conquistas territoriais no Novo Mundo e fizeram dos territórios recém conquistados suas colônias.

As regras das relações entre metrópoles e co¬lônias foram estabelecidas pelo Pacto Colonial, segundo o qual a colônia só podia manter relações comerciais com a metrópole. Surgiu, assim, a pri¬meira divisão internacional do trabalho (DIT), caracterizada pelo envio de matérias-primas das colônias para as metrópoles e de produtos manufaturados das metrópoles para as colônias.

QUAIS FORAM AS CONSEQUÊNCIAS DISSO PARA A ATUAL CONFIGURAÇÃO DO ESPAÇO GEOGRÁFICO? 


Observando a figura acima, notam-se as fases do capitalismo. A primeira, conhecida por capitalismo comercial, ocorre com a expansão marítima e comercial européia, evidenciando a decadência do feudalismo. Nessa fase, potências européias, como Portugal, Espanha, Inglaterra, entre outras, articulam a exploração de áreas incorporadas economicamente.
OBSERVAÇÃO:
O sistema colonial europeu introduziu dois modelo de colonização nas suas colonias dois tipos de modelos: EXPLORAÇÃO e POVOAMENTO
a) EXPLORAÇÃO onde a exploração baseia-se na acumulação de metais preciosos, marcando o mercantilismoa partir do século XVI pelas metrópoles europeias que apoiou-se basicamente:
-        Agricultura monocultural
-        Extrativismo mineral
-        Implantação de grandes propriedades (latifúndios)
-        Subjugação da mão de obra nativa (num primeiro momento)
-        Escravização da população negra africana;
-        Produção voltada a atender aos interesses do mercado externo

IMPORTANTE:
Esse tipo de colonização exploratória marcou a história das regiões tropicais e da construção do espaço geográfico do mundo subdesenvolvido.
Exemplificando: Colonia de Exploração:
      -        Estrutura econômica dependente:  voltada para as necessidades do mercado externo;
-        Predomínio do latifúndio e do trabalho compulsório
      -        Monopólio do comércio colonial pela metrópole: companhias de comércio e sistema de frota;
-        Estrutura social hierarquizada, excludente em relação aos setores coloniais;
-        Dominação político metropolitana centralizada.

b)  POVOAMENTOa partir do século XVII, parte das regiões de clima temperado também começou a ser ocupado por colonos europeus, principalmente da Inglaterra, que fugiam da perseguição religiosa na Europa. Esses colonos entretanto, geralmente migravam com o intuito de permanecer nas novas terras, transformando-as na sua nova pátria e se caracterizou:

-        desenvolvimento urbano-industrial ;
-        intensificações do comércio interno
-        predomínio da pequena  propriedade policultora
-        estabelecimento do trabalho livre (familiar e/ou assalariado) 
IMPORTANTE
Esse tipo de colonização foi responsável pela produção de um espaço geográfico diferente daquele construído nas colonias de exploração, isto é, construção do espaço geográfico do mundo desenvolvido na América e na Ásia e Oceania
Exemplificando: Colonia de Povoamento:
-        Estrutura econômica autossuficiente;
-        Predomínio da agricultura diversificada, realizada em pequenas propriedades;
-        Desenvolvimento da produção artesanal/manufatureira e do comércio
-        Trabalho livre e familiar, eventualmente a “servidão por contrato”
-        estrutura social dinâmica e diversificada;
-        Estrutura política autônoma autogoverno 

QUINTA SEMANA AULAS: 09 e 10
ASSUNTO:AS FASES DO CAPITALISMO - CAPITALISMO INDUSTRIAL
Objetivos da Aula:
- Entender o processo de desenvolvimento do capitalismo;
- Entender as transformações econômicas, sociais, políticas e culturais do período.
- Entender que a mais-valia consiste na exploração capitalista , que é a essência do lucro. Se o trabalhador produz um valor maior do que aquele que recebe na forma de salário, compreender qeu essa fatia de trabalho não-pago é apropriada pelo dono da fábrica. Dessa forma, o produto ou o serviço vendido traz embutido esse valor não transferido ao trabalhador, permitindo o acúmulo de lucro pelos capitalistas. 


  
O Capitalismo industrial – Inicia-se na Revolução Industrial e vai até o início do século XX.  
IMPORTANTE:
A principal fonte de renda passa a ser a transformação de produtos primários em bens de consumo (industrializados).

Essa fase do capitalismo, que se estende do século XVIII ao XX, foi marcada pela Primeira e pela Segunda Revolução Industrial e pela partilha da África e da Ásia entre as potências colonialistas européias - o imperialismo.

A produção industrial tornou-se a maior fonte de lucro e o trabalho assalariado passou a ser a relação típica do capitalismo: quem recebia salário acabava consumindo os produtos que ajudava a fabricar.
 
Com o capitalismo industrial, o trabalho tornou-se mercadoria. Aquele que não possuía meios de produção, nem capital, vendia a sua mercadoria, ou seja, a sua força de trabalho.
 
Especificamente no período da ocorrência da 2ª Revolução Industrial, muitas das antigas colônias da América conseguiram sua independência e a indús¬tria se expandia cada vez mais. As metrópoles precisavam procurar novos fornecedores de matérias-primas e novos mercados de consumo para seus produtos industrializados. As potências européias, então, partiram em busca de novas colônias, dando início à partilha da África e da Ásia. Esse período fi¬cou conhecido como imperialismo. 


Fala galera!!! Tudo Bem?? Hoje vamos falar sobre o CAPITALISMO INDUSTRIAL  e isso é o mesmo que falar 1ª e 2ª REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS.
Pontos importantes a serem observados no estudo desse assunto:
- 1ª coisa: A revolução Industrial foi um processo marcante na história da humanidade porque deu origem a um novo segmento econômico – a atividade fabril – e criou uma nova função para as cidades – o espaço urbano deixou de ser apenas um lugar de consumo e de comercialização para ser também o lugar de produção de bens industriais e de serviço.
- 2ª coisa: entender os motivos (fatores ou causas) que levaram o surgimento dessas revoluções.

Quais e quantas Revoluções ocorreram ao longo da história????

Entre a segunda metade do século XVIII e os dias atuais, podem-se estabelecer três etapas históricas no desenvolvimento da atividade industrial, em função dos avanços científicos e tecnológicos alcançados pela humanidade.

A saber:

- Primeira Revolução Industrial
- Segunda Revolução Industrial e
- Terceira Revolução Industrial.
Contundo nessa aula falaremos  apenas da 1ª e 2ª REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS.
Antes de falarmos dessas revoluções é importante lembrarmos como estava organizado o modelo produtivo antes da 1ª Revolução Industrial.

Bem pessoal! As manufaturas ofereciam empregos braçais e repetitivos para operários sem qualificação profissionais.

Nessa nova forma do processo produtivo, os trabalhadores sofreram dois tipos de expropriação.

QUAIS...???
- Uma se referia ao seu conhecimento;
- A outra se referia aos meios de subsistência.

IMPORTANTE:
Dentro dessas manufaturas (período do capitalismo comercial) a produção era realizada em torno da figura do burguês que ocupava um papel fundamental na estrutura da produção.

COMO SE DAVA ISSO?
Essa nova forma de produção os operários obedeciam uma rígida hierarquia do novo processo de trabalho, que consistia em ter o capita sob seu comando inúmeros artesões espalhados em um amplo raio de ação. Os artesões recebiam a matéria prima deque necessitava para o trabalho e devolviam-na totalmente manufaturada para o capitalista, que depois cuidava da distribuição desses.

E COMO ERA O MODELO PRODUTIVO ANTES DA MANUFATURA?

Para responder essa questão temos que voltar a IDADE MÉDIA. Nesse período a produção se dava através do modo produtivo denominado de ARTESANATO e da seguinte forma:
- Cada trabalhador (artesão) tinha a sua oficina;
- Os trabalhadores eram os proprietários dos MEIOS DE PRODUÇÃO.
- Não havia divisão de trabalho acentuada, isto é, cada artesão fazia um produto do começo ao fim.
- Não eram necessários grandes quantidades de capital para se produzir algo;
- O trabalhador podia criar o produto que quisesse da forma que mais lhe agradasse;

OKKKK!! VOLTANDO AO ASSUNTO DA MANUFATURA
O modelo da manufatura foi de certa forma essencial para a estruturação da divisão social do trabalho que passou a existia nessa etapa o sistema capitalista, e essencial também para o desenvolvimento e manutenção das relações sociais do capitalismo, isto é, o trabalho assalariado.

IMPORTANTE:
Na manufatura já existia a reunião de inúmeros trabalhadores em um mesmo lugar, mas faltava a máquina, para termo o conceito de fabrica, aqui ainda era oficina, e a atividade ainda não é a fabril. Mais de certa forma ao utilizar nem mesmo lugar um número grande de operários sob o comando de um único capital a manufatura inaugura uma forma de trabalho coletivo e cooperativo que coincidiu com a degradação do trabalho artesanal.

AGORA para que houver a 1ª Revolução Industrial , teve que ocorrer uma série de invenções técnicas e tecnológicas e inovações dentro do modelo produtivo que incrementasse a produção a níveis já mais visto pela humanidade. E foi o que ocorreu em meados do século XVIII na Inglaterra, uma série de inovações técnicas possibilitaram uma nova era do processo produtivo: a maquinofatura.

IMPORTANTE
O primeiro setor em que surgiram modificações que levaram a maquinofatura foi o da produção têxtil.


CONTEXTUALIZANDO:
No ano de 1733, John Kay inventou a lançadeira volante, o que permitiu o aumento da capacidade de tecer, produzindo um descompasso técnico, pois a produção da fiação não conseguia atender à demanda.
Esse problema foi resolvido por James Hargreaves, com a criação de uma máquina conhecida como spinning-jenny, que acelerou a produção de fios para os teares.
Ocorreu com isso novo descompasso, pois, agora, produziam-se mais fios do que a demanda. A solução surgiu no ano de 1785, com a invenção de E. Cartwright, que criou o primeiro tear mecânico. Essa nova invenção passou a exigir uma nova forma de energia, a qual foi conseguida por James Watt com o aperfeiçoamento da máquina a vapor.
Observação: a máquina a vapor foi um aperfeiçoamento do aparelho criado por Thomas newcomer, em 1712, para bombear água no fundo das minas de carvão.
IMPORTANTE:
Essa solução marcou uma definitiva e básica alteração: a substituição da força humana pela força motriz, inicialmente marcada pela energia do vapor.
AGORA PRESTA ATENÇÃO
Todas aquelas mudanças ocorridas no modelo de produção da manufatura tiveram grande importância para o início do que foi a PRIMEIRA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL, mas somente essas mudanças não configurariam se em uma verdadeira revolução no ponto de vista econômico e social da produção de mercadorias em que passou a vivenciar a Inglaterra do meados o século XVIII, que foi com a introdução de máquina dentro do processo produtivo.

ENTÃO O QUE FOI A Primeira Revolução Industrial?
A primeira Revolução Industrial consistiu em um conjunto de mudanças tecnológicas com profundo impacto no processo produtivo em níveis econômico e social. Teve como base a Inglaterra em meados do século XVIII, expandiu-se pelo mudo a partir do século XIX.

OBSERVAÇÃO:
O setor mais importante da economia foi o têxtil e utilizou como força motriz o carvão mineral.
IMPORTANTE:
Essa transformação foi possível devido a uma combinação de fatores, como:
- o liberalismo econômico,
- a acumulação de capital (da burguesia inglesa) e
- uma série de invenções(MÁQUINA A VAPOR).
- Presença de jazidas carboníferas (carvão mineral) no território inglês, já que as primeiras máquinas eram movidas a vapor.
E QUAL FOI A CONSEQUENCIA DISSO?
No aspecto socioeconômico
Esse período foi marcado pela supremacia do liberalismo econômico, defendido pelo economista DAVID RUCARDO (1772 – 1823) EM SUA OBRA “princípios da Economia e tributação”, ele mostra as suas ideias com relação aos salários:
“o preço da força de trabalho deveria ser o equivalente ao mínimo necessários para a sobrevivência do individuo”
E segundo o mesmo economista:
“O Estado não deve ter qualquer interferência na economia”
QUAL FOI A CONSEQUENCIA DESSAS IDEIAS NA VIDA SOCIAL E ECONOMICA DOS PROLETARIADO?
As condições de vidas em que viviam os operários e seus familiares eram desumanos. Viviam aos amontoados nos subúrbios dos grandes centros urbanos da época.
Os salários pagos a esses trabalhadores eram baixos e o regime rígido e extremamente disciplinador da fábrica obrigava homens, mulheres e até mesmo crianças a jornadas de trabalho que beiravam as dezoito horas por dia. Sem conforto, sujeitos a baixos salários, sem leis trabalhistas e pouco organizados inicialmente, os trabalhadores sofriam a profunda exploração de um capitalismo "selvagem" fundamentado na "mais valia". Em consequência dos problemas sociais gerados pela Revolução Industrial, começaram a surgir as primeiras Revoltas Operárias.

DIFUSÃO DA INDUSTRIALIZAÇÃO

A Revolução Industrial, inicialmente, ficou restrita à Inglaterra (século XVIII), mas, ao longo do século XIX, expandiu-se pela Europa e por outras regiões do mundo.
O primeiro país a se industrializar na Europa, utilizando basicamente capitais e técnicas inglesas, foi a Bélgica, a partir de 1830.
A França, por volta de 1850, após a Revolução Francesa e um processo lento de evolução de suas pequenas oficinas e manufaturas, começou o seu processo de industrialização.
No ano de 1870, após concluir seu processo de unificação, a Alemanha introduziu a maquinofatura num processo marcado pela velocidade e liderança do Estado. A Prússia comandou tanto o processo de unificação política como a industrialização alemã (Via Prussiana).
Também, logo após o processo de unificação política, por volta de 1870, teve início, no norte da Itália (Piemonte), o processo italiano de mecanização.
Fora da Europa, a industrialização atingiu os Estados Unidos e o Japão (final do século XIX).
No caso norte-americano, o processo deu-se principalmente após a Guerra de Secessão (1861-65), que integrou o país e permitiu a industrialização, em especial no norte.
O Japão, ao final do século XIX, sob os efeitos da Revolução Meiji, conseguiu a eliminação dos vestígios feudais e, com forte influência do modelo alemão de industrialização, promoveu suas mudanças estruturais.
IMPORTANTE:
Foi nessa fase que o capitalismo tornou-se o sistema econômico hegemônico e dominante (consolidou-se)





SEXTA SEMANA AULAS: 11 e 12
ASSUNTO:A SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E O CAPITALISMO IMPERIALISTA
Objetivos da Aula:

OLÁ pessoal!! TUDO BEM???
Hoje vamos falar sobre a SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
Então vamos lá!!!
A Segunda Revolução Industrial ocorrida, fundamentalmente, a partir da terceira década do século XIX, provocou profundas transformações no Sistema Capitalista de Produção.

Por quê?
Bem pessoal!!
A Segunda Revolução Industrial foi baseada no profundo avanço da Ciência Moderna e da Tecnologia da época e representou um aprimoramento técnico e científico da Primeira Revolução Industrial como:
- forte desenvolvimento tecnológico, principalmente elétrico, químico, siderúrgico;
Antes: o desenvolvimento da máquina a vapor, dos teares mecânicos (algodão), da mineração (carvão) e da metalurgia (ferro).
Então:
- utilização do petróleo e da energia elétrica como fonte de energia SUBSTITUINDO carvão mineral era a fonte de energia, isto é, combustível.
- Utilização da motor a combustão interna SUBISTITUINDO máquina a vapor
- utilização do sistema de linha de produção dentro das fabricas que dividia ainda mais o trabalho dentro das industrias
Isto é, surgiu uma divisão do trabalho ainda mais acentuada, isto é = organização do trabalho dentro de uma unidade produtiva, como a indústria, em função da tecnologia empregada
Nesse aspecto organizacional da industria surgiram novos modelos de produção, destacando-se o fordismo e o taylorismo.
-No fordismo, ocorria a produção em série, na qual cada operário fazia uma tarefa simples na produção de uma mercadoria, havendo nítida divisão do trabalho. A esteira unia os operários, pois dela originava-se a mercadoria total ou completa. Aumenta-se a alienação, pois o operário não dominava mais o todo.
- No taylorismo, apareceu o modelo gerencial do trabalho, ocorrendo a divisão entre o fazer e o pensar, enfatizando a divisão técnica. Houve controle rígido sobre o processo de trabalho, valorizando-se o supervisor e o encarregado.
- surgimento de novos tipos de indústrias como as metalúrgicas, as siderúrgicas (na produção do aço) que movimentava outros tipos de industrias como a automobilística (através do moto de combustão interna) e do surgimento das industrias petrolíferas (que extraiam o petróleo do subsolo) e das petroquímicas (que industrializavam-no a partir da transformação do petróleo em gasolina, diesel e etc...)
Antes: só tínhamos a indústria têxtil
CONTEXTUALIZANDO: Esse período foi marcado pela disputa entre as as principais potências industrias européia da época, acontecimento que ficou conhecido  PELA CORRIDA NEOCOLONIALISTA E O IMPERALISMO — o extraordinário aumento da produção, em razão de uma tecnologia crescentemente sofisticada, gerou excedentes que superavam a demanda dos mercados dos países ricos; além disso, os lucros dos capitalistas proporcionaram excedentes de capital que precisavam ser aplicados no setor de serviços dos países periféricos ao Continente Europeu. Também as nações hegemônicas se viam diante do desafio da explosão demográfica e necessitavam de áreas externas para a fixação de contingentes populacionais e, por fim, a indústria dos países centrais ainda precisava de matérias primas produzidas pelas áreas periféricas. Todas estas razões levaram à corrida imperialista em direção à Ásia e à África que consubstanciou a fase imperialista do capitalismo.
EXEMPLIFICANDO:
 A partir da segunda metade do século XIX, as potências européias começaram a disputar áreas coloniais na África, na Ásia e na Oceania. Seus objetivos eram:
-  a busca por fontes de matérias-primas,
- a busca por mercado consumidor, 
- a busca por mão-de-obra e oportunidades para investimento. 

Para isso eles usaram as seguintes justificativas morais para essa colonização, no entanto, estavam relacionadas com o que se chamava de darwinismo social, cujo significado baseava-se que o homem branco de origem européia estava imbuído de uma missão civilizadora, através da qual deveria levar para seus irmãos de outras cores, incapazes de fazer isso por si mesmos, as vantagens da civilização e do progresso, resgatando-os da barbárie e do atraso aos quais estavam submetidos.

Contextualizando:
No final do século XIX, a necessidade de novas fontes de matérias-primas e de mercados Consumidores provocou uma série de guerras localizadas entre os países industrializados. Essas guerras tinham como objetivo a Conquista de Territórios e a Ampliação do Império Colonial. Existia uma Corrente do Pensamento Geográfico por trás disso tudo: Era o Determinismo Alemão e a Teoria do Espaço Vital de Ratzel!

Segundo Ratzel os homens deveriam procurar organizar o espaço para garantir a manutenção da sua vida não só individual, mas principalmente a vida coletiva. Seguindo o raciocínio ratzeliano o maior sinal da decadência de uma sociedade consistiria na perda do território, enquanto o expansionismo seria algo inevitável para uma sociedade que estivesse progredindo.

Em suma, todas as grandes potências econômicas européia do final do século XIX e início do século XX justificavam suas políticas expansionistas, utilizou a idéia de que o seu país tinha de conquistar seu “espaço vital”, ou seja, mercados consumidores e fornecedores de matéria-prima. isto é o IMPERIALISMO EUROPEU.

Consequência disso:
As nações industrializadas européias partiram em fins do século XIX e no início do século XX para um processo de disputa por territórios na África, na Ásia e também na América Latina. Os termos Imperialismo e Neocolonialismo são usados para designar o processo de dominação que se estabeleceu a partir de então sobre os territórios e povos desses continentes. As mudanças do sistema capitalista a partir de 1870/1880, nas sociedades mais industrializadas, tiveram como característica principal: 
-As grandes empresas e os bancos procuraram garantir o controle das fontes de matérias-primas e dos mercados consumidores para os produtos industrializados;
- Aumento da concentração e da centralização do capital monopolista dentro da lógica do imperialismo
Para Isso essas potências europeias invadiram e dividiram os continentes Africano e asiático entre si.
  
IMPORTANTE: A PARTIR DA 1ª METADE DO SÉCULO XX, UM OUTRO FENÔMENO PASSOU A OCORRER COMO CONSEQUÊNCIA DA POLÍTICA IMPERIALISTA :
- Ocorreu a formação de sociedades anônimas de trustes e cartéis.Isto é, PELA CISÃO ENTRE PROPRIEDADE E ADMINISTRAÇÃO — nas antigas empresas patrimoniais, o dono ou os donos controlavam a administração da produção e gerenciamento de suas firmas. A crescente complexidade do capitalismo, com a implantação de enormes conglomerados, tornou necessária a criação das sociedades anônimas, apropriadas pelos detentores de ações. Nelas, os donos (acionistas) não mais administram e os quadros burocráticos administrativos não são proprietários, tendo com o capital da empresa um vínculo empregatício e salarial.
EXEMPLIFICANDO:
O presidente e os diretores de empresas como a General Motors, a Volkswagen e a Mitsubishi, por exemplo, são, embora recebendo bons salários, meros empregados. Dentre os motivos da formação das sociedades anônimas está o fato de que, nelas, os acionistas não respondem com seu patrimônio, o que permite vôos empresarias de alto risco. Um bom exemplo disto foi a criação da empresa construtora do canal de Suez, que exigia enormes investimentos e oferecia graves riscos. Nenhuma capitalista, por mais próspero que fosse, estava disposto a arriscar seus bens em caso da falência da empreiteira que assumisse a edificação do canal. Vendidas ações no mercado financeiro, milhares e milhares de ingleses e franceses raciocinaram, que se o projeto tivesse êxito, ficariam ricos. Se ocorresse o contrário, perderiam somente os poucos francos e libras investidos nas ações. Uma conseqüência dessa separação entre a propriedade e a administração das empresas foi a emergência de uma “nova classe média”, não mais o pequeno proprietário, o profissional liberal e o funcionário público, mas um segmento social que possuía “saber especializado” para vender ao capital ( engenheiros, técnicos, executivos, etc ). O surgimento desse novo setor social, contrariando a profecia de Karl Marx de que ocorreria o desaparecimento das classes médias pela concentração de capital nas mãos de alguns e pela proletarização crescente da maioria da sociedade, foi um fator que impediu a revolução socialista na Europa Ocidental e nos Estados Unidos da América;

A PARTIR DESSE PERÍODO PELA INTEGRAÇÃO ENTRE AS INDÚSTRIAS E OS BANCOS — os capitalistas passaram a captar no sistema financeiro recursos para o incremento da produção e, ao mesmo tempo, investiam seus lucros nos mercados financeiros buscando a aceleração da acumulação de capital. Esta, agora, amplamente aumentada, possibilitaria o aparecimento de grandes fortunas, tais como os Morgan, Rockefeller, e os Rothschild, dentre outros;PELO SURGIMENTO E A CONSOLIDAÇÃO DO CAPITALISMO OLIGOPOLISTA— Nasciam, no período, os oligopólios, ou seja, enormes conglomerados empresariais que dominam os diversos ramos da produção econômica e da oferta de serviços. Estes oligopólios se apresentam em três formas:“trusts”, “holdings” e os “cartéis”
Monopólioocorre quando uma empresa domina a oferta de um determinado produto ou serviço. Uma forma mais aprimorada de monopólio é o oligopólio, quando um grupo de empresas domina o mercado de um determinado produto ou serviço.
Podem-se citar as seguintes formas de oligopólio:
Cartelformado por empresas independentes que fazem produtos semelhantes e têm acordos para dominar o mercado desses produtos;
Truste: empresas que abrem mão de sua independência legal e se unem para constituir uma única organização. Os trustes podem ser:
– Horizontais, constituídos por empresas que trabalham com o mesmo ramo de produtos.
– Verticais, formados por empresas que cuidam de todo o processo de produção: desde a matéria-prima até o produto acabado. Por exemplo, uma empresa que controla desde a plantação de cana-de-açúcar até a produção de açúcar e álcool;
Conglomeradoé constituído por empresas que diversificam sua produção para dominar a oferta de certos produtos ou serviços. Geralmente é dominada por um HOLDING.
HOLDINGé o estágio mais avançado do capitalismo. Num holding uma empresa, criada para administrar outras possui a maioria das ações. As grandes corporações usam essa forma de administração.
CONTEXTUALIZANDO:
A partir de 1870 surge uma nova forma de capitalismo, o capitalismo financeiro ou capitalismo monopolista, esse surgimento foi uma das principais mudanças econômicas da História Contemporânea.

Nos anos de 1870 a 1900 acontecia a chamada Revolução Industrial, tanto Os EUA quanto a Europa passava por consideráveis mudanças sociais (transporte e comunicação), industriais (novas fontes de energia e aço) e aumento 
considerável da população. Esse novo cenário possibilitou o aumento o aumento da população e incentivou as grandes empresas a ampliar seus negócios.

A partir de então os bancos passaram controlar grandes empresas norte-americanas e europeias. Os grandes grupos financeiros passaram a dominar as empresas e os industriais foram transformados em (trabalhadores) diretores assalariado,s delegados dos verdadeiros proprietários. O capitalismo financeiro ou monopolista apresentou modelos fundamentais, o domínio da indústria pelas inversões ba
ncarias; a formação das grandes reservas de capitais; a distinção entre a propriedade particular dos dirigentes das empresas e o patrimônio e a responsabilidade econômica  da empresa. Mas a maior característica do capitalismo financeiro ou monopolista foi a expansão imperialista.

A grande acumulação de capital da industria mode
rna era organizada de acordo com os trustes (fusão de diversas empresas do mesmo ramo), os cartéis (grupos de grandes empresas independentes que estabelecem entre si um acordo com o objetivo de controlar os preços ou o mercado de um determinado setor) e as holding (empresa que domina o controle de ações)
- Estados Unidos e Alemanha despontam como grandes potências.

IMPORTANTE: VEJA O QUANDRO SÍNTESE
É NESSA SEGUNDA FASE DO CAPITALISMO INDUSTRIAL QUE SE INICIA UMA OUTRA ETAPA DO CAPITALISMO o chamado Capitalismo financeiro –que inicia-se a partir das guerras mundiais e da atuação das bolsas de valores e dos bancos e instituições financeiras globalizadas.
IMPORTANTE:
As principais fontes de renda passam a ser as grandes aplicações e transações financeiras. 

REFLEXÃO:O capital acumulado nas etapas anteriores precisava de outras atividades, além da atividade industrial, para ser multiplicado. 
ENTÃO O QUE FOI QUE FIZERAM OS CAPITALISTA?

Estes passaram a criar as instituições financeiras. o que determinou o desenvolvimento dos bancos, das corretoras de valores e dos grandes grupos empresariais iniciando um processo de concentração do capital.

Bem Pessoal!!! A união do capital industrial com o capital de financiamento (bancário) deu origem ao capital financeiro, que é a própria essência do capitalismo, caracterizado pêlos mercados de capitais negociados nas bolsas de valores.

 E QUAIS FORAM AS SUAS PRINCIPAIS CONSEQUÊNCIA DISSO NO CAMPO POLÍTICO ECONÔMICO?
  
Surgem os monopólios e os oligopólios
 
A concentração de capital nas mãos de poucas pessoas ou empresas trouxe, como consequências, a monopolização e, depois, a oligopolização de vários setores da economia, que passaram a ser dominados por grandes grupos econômicos. O objetivo da união de empresas era enfrentar a concorrência, que ficava cada vez maior.
IMPORTANTE
O monopólio ocorre quando uma empresa do¬mina a oferta de determinado produto ou serviço. Uma forma mais aprimorada de monopólio é o oligopólio, quando um grupo de empresas domina o mercado de determinado produto ou serviço.
 
Podemos citaras seguintes formas de oligopólio:
 
Cartel. Formado por empresas independentes, que fazem produtos semelhantes e têm acordos para dominar o mercado desses produtos, como, por exemplo, montadoras de veículos, empresas de tabaco, de exploração de petróleo, etc.
Truste. Empresas que abrem mão de sua indepen¬dência, legal e se unem para constituir uma única organização
Conglomerado. É constituído por empresas que diversificam sua produção para dominar a oferta de certos produtos ou serviços. Geralmente é admi¬nistrado por uma holdíng. Um exemplo de conglo¬merado é uma empresa que atua em vários ramos de produção, como a Mitsubishi, que fabrica car¬ros, televisores, canetas.
Holdíng. É o estágio mais avançado do capitalismo. Numa holding, uma empresa, criada para administrar outras, possui a maioria das ações. As grandes corporações usam essa forma de administração.

ATIVIDADE DE FIXAÇÃO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...