LEIA ANTES DE ACESSAR O CONTEÚDO

Este blog tem como objetivo, ser um complemento para alunos do ensino médio, no que refere as Ciência Humanas.


15/07/2011

Aula CARTOGRAFIA


1ª semana aulas: 01 e 02 (15/08 à 20/08 de 2012)


ASSUNTO: Tipos de ESCALAS 



Objetivos da Aula:



- Discutir diferentes maneiras de representar a Terra nas superfícies planas (planisférios).
- Compreender aspectos ideológicos dos mapas.
-
-

Olá pessoal tudo bem!! Nesta aula vamos estudar um dos asuntos muito cobrados nas bancas dos principais vestibulares do país.

NOÇOÕES PRELIMINARES


A Cartografia é uma ferramenta utilizada pela geografia para a confecção de mapas, a partir da observação direta, ou de dados obtidos por fontes secundárias (fotos, imagens). O Homem retrata características do espaço desde a pré-história, essas observações foram retratadas em rochas, sobretudo em cavernas.

A Cartografia foi evoluindo, tendo como áreas de grande desenvolvimento a babilônia (atual Iraque), cerca de 200 a .C.

Na Idade Média, houve um forte retrocesso na evolução do pensamento cartográfico, por influência da Igreja, que apoiava-se na idéia de que a terra era o centro do sistema, e Jerusalém era destacada como a área central em vários mapas do período.

Com o desenvolvimento das navegações e a mudança de mentalidade, a cartografia novamente passou a adquirir status de importância, sendo que vários cartógrafos acompanhavam as expedições, descrevendo e relatando características peculiares das regiões visitadas, possibilitando, assim, um melhor conhecimento das áreas do globo.

A cartografia é um instrumento essencial para os governos, pois serve para analisar, interpretar e interferir na realidade espacial, determinando uma melhor utilização do espaço. Esse instrumento também é utilizado como ramo de poder político, as informações e os mapas atualizados e detalhados servem como mecanismo estratégico de informação.


REPRESENTAÇÕES DA TERRA




Globo terrestre: é a forma reduzida de representação da terra, que mais se aproxima da realidade. Essa forma possui algumas vantagens por apresentar a mesma forma da terra e conservar os continentes e oceanos em suas posições relativamente reais, embora com pobreza de detalhes.
Mapas: são representações da terra projetadas em uma superfície plana, a qual sempre determinará deformações. Esses tipos de representações são muito utilizadas em pesquisas científicas. Para confeccionar um mapa, é necessária uma grande quantidade de informações, que devem estar contidas no próprio mapa
(escala, legenda, título, símbolos e data de confecção) para facilitar a compreensão e auxiliar na análise. 


Dentre os elementos essenciais de um mapa estão:

-Título
-Coordenadas / Referência espacial
-Projeção
-Legenda
-Escala
a) TÍTULO:
  De um modo geral o título indica duas coisas: a área e o tipo de dado apresentado. Exemplos: “Mundi político”(mapa do mundo com características da divisão política); “Brasil hidrografia”(mapa do Brasil com características da hidrografia), etc.

b) COORDENADAS/REFERÊNCIAESPACIAL:
Referências que permitem localizar o mapa e suas áreas em relação ao globo como um todo. Normalmente contém a “rosadosventos”, coordenadas (latitude e longitude) e, em alguns casos, um pequeno mapa (normalmente num dos cantos inferiores)indicando onde aquela parcela do espaço se encontra em relação a uma área maior. Exemplo: num mapa da América, colocar um pequeno mapa-múndi no canto com a América em destaque.

c) PROJEÇÃO:
As projeções são as adaptações feitas para representar a superfície da Terra (esférica)num plano. Lembre-se que todas as projeções apresentam deformações, que podem ser maiores ou menores e em partes diversas do mapa. Asprojeções podem ser:
1) Planas, azimutais, radiais ou polares: quando um mapa é representado a partir de um ponto central, radialmente. É muito utilizado para representar regiões polares(como pólo no centro do mapa), como o continente antártico.

2) Cilíndricas: representam a Terra a partir de um cilindro estendido. É ideal para representar a regição equatorial. É muito utilizado na confecção do mapa mundi e de áreas como o Brasil ou o continente africano. Os primeiros mapas-mundi possuíam uma visão eurocêntrica(evidenciavam a Europa, colocando-a no centro)e esse padrão é muito utilizado até os dias de hoje. O primeiro, de Mercator, representava as distâncias corretas mas deformava as áreas dos continentes(conforme); Peters criticou o eurocentrismo colocando o norte na parte inferior do mapa e privilegiando as áreas, o que distorceu as formas dos continente (equivalente). Mais recentemente alguns autores como Mollweide e Robinson diminuíram as deformações das regiões polares,“diminuindo-as” nos mapas (formato de um elipsóide ou retangular com as bordas arredondadas).

3) Cônicas: quando um mapa é representado a partir de um cone. É muito utilizado para representar regiões de latitudes médias, como os EstadosUnidos ou o continente europeu.

d) LEGENDA
É o “dicionário do mapa”, ou seja, indica o que as cores, símbolos, linhas e outros representam. Pode ser composta por:

Linhas: indicam estradas, fronteiras, ferrovias, etc. Podem ser contínuas, tracejadas e outros.
Áreas: indicam países, estados, continentes, etc. Podem ser coloridas, hachuradas (com“padrões”) e outros.
Pontos: para eventos pontuais; indicam capitais, cidades, etc. Podem ser estrelas, quadrados, círculos, símbolos e outros.

e) ESCALA:

Indica quantas vezes o real foi reduzido para ser representado no mapa. Pode ser de dois modos principais:

•Escala gráfica: indica a escala num pequeno gráfico.Ex:
•Escala numérica: indica a escala numa relação numérica. Ex: 1:300000 (300 mil cm)
Observação: Existe também uma “escala por equivalência”, usada mais para fins didáticos, que mostra uma relação direta, normalmente menos precisa, no entanto, mais fácil de identificar. Ex:1cm=50km


Para calcular uma escala, use

E=d/D
onde
“E”é a escala,
“d” é a distância no mapa e
“D” é a distância real, no terreno.
Dica 01:
Distiguir uma escala grande de uma escala pequena:
Uma pegadinha muito comum em relação a escalas é a seguinte:
•uma escala grande apresenta denominador pequeno, ou seja, apresenta uma pequena área com muitos detalhes;
•uma escala pequena apresenta denominador grande, ou seja, apresenta uma grande área com poucos detalhes.
Só que na hora de  identificar qual entre duas escalas é  a maior se escolhe a costuma confundir   

Dica 02:
Como transformo uma escala gráfica em numérica?

Para transformar um escala gráfica em numérica basta você
- 1º Passo: Pegar o valor do km, multiplicar por 1000 e terá os metros,
Assim:
- 2º Passo: Multiplicando mais uma vez por 100 você terá o valor em cm.
Assim:
- 3º Passo: Coloque o resultado que deu dos centimetros após "1:" (um por) e terás uma escala numérica.
Assim: 



Escala numérica: é expressa por uma fração, na qual o numerador representa a distância no mapa e o denominador, a distancia real na superfície.

Exemplificando:
Uma escala 1:100 000 lê-se “escala um por cem mil”, o que significa que a superfície representada no mapa foi reduzida 100 mil vezes. Nesse caso, então, 1 cm no mapa equivale a 100 000 cm = 1 000 m = 1 km, na realidade.

Para descobrir a distância real entre dois pontos em um mapa, procedemos da seguinte maneira:

1° passo: com uma régua medimos a distância que existe entre os dois pontos;

2°passo: multiplicamos essa distância, em cm, pelo denominador da escala e convertemos, em m ou km, o resultado obtido em cm.
Ex: 1:100 000, a distância em linha reta entre duas cidades é de 12 cm.

Qual a distância real entre as duas cidades?
Solução: 12 X 100 000 = 1 200 000 cm (divide-se por 1000 m e divide-se por 100) = 12 km

Observação: Escala gráfica: é uma linha reta graduada (em graus), na qual se indica a relação com as distâncias representadas no mapa.

Como transformo uma escala numéricam gráfica?

Faça o seguinte:
Você tem a Escala numérica
Ex: 1:10.000.000 de cm
corta-se cinco zeros da direita para a esquerda para transformar centímetros em quilômetros

Assim:      10.0(00.000) = 100km.

Escala gráfica:
Fica assim:
[____[____[
0       100   200 km

Cada centímetro no mapa corresponde a 100 km, dois centímetros correspondem a 200 km, e assim por diante...

Para transformar uma escala gráfica em numérica, basta por ex, acrescentar cinco zeros, no caso de a escala gráfica estiver em km.

100 km = 10.0(00.000) de cm.


Qual a diferença entre escala grafica e escala numerica?
Escala gráfica

É a representação gráfica de várias distâncias do terreno sobre uma linha reta graduada. É constituída de um segmento à direita da referência zero, conhecida como escala primária. Consiste também de um segmento à esquerda da origem denominada de Talão ou escala de fracionamento, que é dividido em sub-múltiplos da unidade escolhida graduadas da direita para a esquerda.

A Escala Gráfica nos permite realizar as transformações de dimensões gráficas em dimensões reais sem efetuarmos cálculos. Para sua construção, entretanto, torna-se necessário o emprego da escala numérica.

O seu emprego consiste nas seguintes operações:

1º) Tomamos na carta a distância que pretendemos medir (pode-se usar um compasso).
2º) Transportamos essa distância para a Escala Gráfica.
3º) Lemos o resultado obtido.

Escala Numérica

É a escala de um documento cartográfico (Mapa, Carta ou Planta) expressa por uma fração ou proporção, a qual correlaciona a unidade de distância do documento à distância medida na mesma unidade no terreno.

Ex: 1:100.000 - Lê-se 1 por 100.000.

Cite os dois níveis ou tamanhos de escala utilizados pela cartografia e explique cada uma delas ?

A escala numerica e a gráfica.
A numerica é uma escala onde se da a seguinte relação:
                          
  E = d/D

Onde d representa o numero da distancia no papel e D é a distancia real.



O que é UTM (Unidade Transverso de Mercator)
A projeção UTM talvez seja a projeção mais utilizada no mundo. Isto ocorre devido a muitos fatores, entre eles a facilidade na interpolação de coordenadas, medida de distâncias, cálculo de ângulos e cálculo de áreas. 
A contagem dos fusos da projeção UTM se inicia no anti-meridiano ao meridiano de Greenwich, portanto no meridiano de 180o. A coordenada no equador vale 10.000.000 de metros e a coordenada no meridiano central vale 500.000 metros. 
A direita do meridiano central, as coordenadas E (longitude, X) são somadas a 500.000 e a esquerda, as coordenadas são subtraídas de 500.000. No hemisfério sul, as coordenadas N (latitude, Y) são subtraídas de 10.000.000 e no hemisfério norte são somadas a 0.

Apesar de ser utilizada mundialmente, a projeção UTM tem seus problemas. O problema maior é que ela divide o globo em fusos de 6o de longitude, ou seja se necessitarmos mapear uma região que se distribua no sentido leste-oeste e esta extensão ultrapasse 6o, a projeção UTM não pode mais ser utilizada. 

A projeção UTM é utilizada no mapeamento de áreas com pouca extensão no sentido leste-oeste (menos que 6o de longitude). 

      No Brasil, os mapas construídos em escalas 1:250000 e maiores (por IBGE e DSG), se encontram em projeção UTM. No mapeamento municipal também é utilizada a projeção UTM.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...